A Luz de um Abajour


Sob a fraca luz de um abajur
percorro o teu corpo com o olhar
delirante de tesão e
enquanto o fogo da paixão
arde, desenhando em minha mente
as mais loucas fantasias sexuais,
teu corpo esguio e desnudo
repousa na maciez dos lençóis
que teimosamente tentam
esconder a fonte dos meus desejos



Deito-me ao teu lado
e dou inicio a uma alucinante
viagem pelas curvas do teu corpo
que estremece de prazer quando
minha língua quente acaricia
teus mamilos e parte em busca
da tua vulva molhada de tesão

Como dois loucos famintos
devoramos nossos sexos
enquanto nossos corpos perdidos entre
caricias, beijos, lambidas e mordidas
explodem em delirantes gozos de prazer

Tudo testemunhado apenas pela
fraca luz de um abajur

Ago/2007
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

3 comentários:

Anônimo disse...

lindo poema. Me fez relembrar minha primeira noite de amor com uma pessoa inexquecivel, porém comprometido.Foi um sonho realizado e impossivel de esquecer.

Anônimo disse...

lindo poema. Me fez relembrar minha primeira noite de amor com uma pessoa inexquecivel, porém comprometido.Foi um sonho realizado e impossivel de esquecer.

Anônimo disse...

LINDO POEMA ME FEZ LEMBRAR DO MEU NAMORADO NOS MOMENTO EM QUE PASSAMOS POR DEBAIXO DOS PANOS INERTES DE PRAZER REVELANDO O NOSSO SEXO NERVOSO